Investir em Cuba
Celino Cunha Vieira (Português)
Viernes, 15 de Abril de 2016

Celino Cunha Vieira - Associação Portuguesa José Marti / Cubainformación.- Com relações diplomáticas ininterruptas entre Portugal e Cuba há quase um século, as trocas comerciais entre os dois países nunca tiveram grande expressão, limitando-se à comercialização pontual de alguns produtos que pela sua qualidade ou produção privilegiada mais interessava de parte a parte, já que, como pequenos países e um mercado limitado, pouco despertava a atracção das empresas, embora com algumas boas excepções. Hoje o panorama é bem diferente e cada vez mais se assiste a uma forte vontade de alterar a situação, pois quer Portugal quer Cuba necessitam de aumentar as suas exportações e procurar novos mercados. Desde 2014, ano em que foi assinado entre os dois governos um memorando com vista ao estabelecimento de consultas políticas regulares, as missões empresariais têm vindo a aumentar, assentes na diplomacia económica ao mais alto nível, podendo vaticinar-se que dentro de pouco tempo Portugal passará a ser um importante parceiro comercial para Cuba. 

Actualmente Portugal já exporta para Cuba mais de 600 produtos diferenciados e distribuídos por cerca de 64 empresas, existindo algumas em fase de instalação na própria Ilha, beneficiando das novas regulações cubanas para os investimentos estrangeiros e aproveitando as potencialidades do imenso mercado de toda a América Latina e do Caribe, para além de num futuro que se espera próximo, incorporar também o norte-americano. 

Para além da sua localização geográfica no centro de um mercado em expansão servido pelo Canal do Panamá e pelo futuro Canal da Nicarágua já em construção, Cuba oferece também uma mão-de-obra altamente qualificada, boas infra-estruturas básicas e uma rede de comunicações de acesso aos principais portos e aeroportos do país, um alto índice de segurança pública, assim como estabilidade política, social e jurídica, garantindo deste modo excelentes condições para a fixação de unidades industriais nos mais variados sectores que possam produzir bens dirigidos não só ao consumo interno, numa ajuda à diminuição das importações, como também à exportação. 

Com a criação da Zona Especial de Desenvolvimento de Mariel, polo situado a cerca de 45 km a oeste de Havana e que conta já em pleno funcionamento com um porto marítimo de águas profundas e um moderno terminal de contentores, é de esperar que nos próximos anos venham a ser ocupados os seus mais de 465 km2, já que as empresas que aí se instalarem beneficiarão de condições excepcionais de isenção de impostos e de taxas alfandegárias para os equipamentos que necessitem de importar para a sua actividade. 

Considerando as convulsões a que se assiste por esse mundo fora e as constantes oscilações dos mercados económicos, as empresas portuguesas têm em Cuba excelentes oportunidades para a sua internacionalização, atendendo a que nalguns sectores Portugal é bastante competitivo pela experiência, qualidade e inovação, bastando para isso que os empresários aprofundem o seu conhecimento sobre um país que está em transformação e aberto a receber todos aqueles que com seriedade queiram participar no seu desenvolvimento. O desafio está lançado!

 

Lo último

01 de Octubre // 08:24
documentales-de-hernando-calvo-ospina-en-la-casa-de-la-solidaridad-en-estocolmo Comité Internacional Paz, Justicia y Dignidad a los Pueblos - Capítulo Suecia.- El viernes 27 de septiembre, la Asociación[...]
01 de Octubre // 08:10
bartolome-sancho-desmonto-tesis-sobre-crisis-humanitaria-en-venezuela-y-cuba Gerardo Moyá Noguera - Casa de Amistad Baleares-Cuba.- Bartolomé Sancho, periodista balear residente en La Habana y presidente de Honor de la[...]
01 de Octubre // 07:23
nueva-propuesta-literaria-cuba-frente-al-buen-vecino-entre-el-contrato-y-la-herejia Cubadebate.- “Cuba frente al buen vecino. Entre el contrato y la herejía”, libro del ingeniero y periodista Iroel Sánchez, será presentado el[...]
Revista
Lo + leido
Recomendamos