Pequenos luxos
Celino Cunha Vieira (Português)
Jueves, 10 de Diciembre de 2015

Celino Cunha Vieira - Associação Portuguesa José Marti / Cubainformación.- Aproxima-se o fim do ano e já se passaram quase 12 meses após as comunicações em simultâneo dos presidentes Raul Castro e Barak Obama no dia 17 de Dezembro de 2014, das quais resultou como mais importante a incondicional e imediata libertação dos últimos 3 Heróis cubanos injustamente presos nos EUA que finalmente puderam regressar à Pátria e o início das rondas de conversações que já deram alguns resultados práticos mas que ainda falta muito para um restabelecimento completo das relações entre os dois países.

Como sonhar não custa, tenhamos esperança que brevemente cesse o bloqueio económico, comercial e financeiro imposto a Cuba pelos sucessivos governos dos EUA desde há mais de 50 anos, que a base militar norte-americana de Guantánamo seja desactivada e que o seu território ocupado há mais de 100 anos seja devolvido aos seus legítimos proprietários, que a Lei de Ajuste Cubano incentivadora da emigração ilegal seja revogada, que o dinheiro roubado do Banco Nacional de Cuba e todos os prejuízos directos e indirectos provocados ao povo cubano possam ser compensados e que haja o indispensável respeito pela soberania e independência de um país que apenas deseja a paz e o progresso dos seus cidadão.

Há um ano eu escrevia que “há que estar sempre alerta e nunca baixar a guarda porque os inimigos da Revolução ainda espreitam nalgumas esquinas, mascarados de cordeiros mas de dentes bem afiados para poderem caçar alguma presa distraída”. Hoje, mais do que nunca há que estar atentos, pois veja-se o que se passou com as recentes eleições na Argentina e na Venezuela, onde a propaganda transmitida através de bem orquestradas campanhas mediáticas deu os resultados que se conhecem.

É claro que Cuba tem outras particularidades e que a Revolução continua bem viva, não sendo tão fácil enganar um povo que tem memória e que ainda se lembra bem da miséria e da exploração em que vivia antes de 1959, podendo hoje orgulhar-se do seu passado recente pelos sacrifícios que teve de passar – e que ainda passa – mas com a certeza de um futuro melhor e mais próspero.

Com o incremento constante da iniciativa privada e a instalação de algumas empresas estrangeiras, muitas famílias cubanas têm hoje acesso a bens de consumo que antes por razões económicas lhes estavam vedados, passando muito justamente a ter possibilidades de comerem em bons restaurantes e deixando por exemplo de frequentar as instalações do chamado campismo popular para se alojarem em resortes de cinco estrelas no regime de tudo incluído de Varadero ou de qualquer outra estância balnear que no passado apenas estava acessível ao mercado externo.

Com isto não se pense que tudo está bem e que não são necessárias muitas mais reformas, pois enquanto estas “facilidades” não estiverem acessíveis a todo o povo, a Revolução não poderá abrandar nem estará cumprida. Mas há que dar tempo ao tempo, pois passar de uma situação em que se viveu no “período especial” para o oposto não é tarefa fácil e as prioridades nos aspectos sociais para os melhorar e consolidar são muito mais importantes do que os pequenos “luxos” a que todos aspiram e a que legitimamente têm direito.

 

Lo último

01 de Octubre // 08:24
documentales-de-hernando-calvo-ospina-en-la-casa-de-la-solidaridad-en-estocolmo Comité Internacional Paz, Justicia y Dignidad a los Pueblos - Capítulo Suecia.- El viernes 27 de septiembre, la Asociación[...]
01 de Octubre // 08:10
bartolome-sancho-desmonto-tesis-sobre-crisis-humanitaria-en-venezuela-y-cuba Gerardo Moyá Noguera - Casa de Amistad Baleares-Cuba.- Bartolomé Sancho, periodista balear residente en La Habana y presidente de Honor de la[...]
01 de Octubre // 07:23
nueva-propuesta-literaria-cuba-frente-al-buen-vecino-entre-el-contrato-y-la-herejia Cubadebate.- “Cuba frente al buen vecino. Entre el contrato y la herejía”, libro del ingeniero y periodista Iroel Sánchez, será presentado el[...]
Revista
Lo + leido
Recomendamos