1.º de Maio de 2015
Celino Cunha Vieira (Português)
Viernes, 08 de Mayo de 2015

Celino Cunha Vieira - Associação Portuguesa José Marti / Cubainformación.- Mais uma vez tive o privilégio de acompanhar uns amigos a Cuba para participarem no grande desfile do 1.º de Maio em Havana, que desta vez decorreu debaixo de uma irritante chuva, mas que nem assim serviu para desmobilizar o povo que mais ou menos protegido contra a intempérie, compareceu em massa para confraternizar e viver a grande festa do Dia do Trabalhador de apoio à Revolução, tendo este ano a particularidade de homenagear os Cinco Heróis Cubanos que com os seus familiares directos encetaram o desfile, após tantos e tantos anos em que foram impedidos de o fazer e que aqui se reclamou insistentemente a sua libertação, cumprindo-se a promessa de Fidel: “volveran!” e finalmente regressaram todos à Pátria e ao convívio com os seus concidadãos que eternamente lhes estarão agradecidos. 

Mesmo com mau tempo a alegria foi contagiante, predominando o colorido e a juventude que pulou e dançou enquanto desfilava, empunhando os mais variados cartazes com palavras de ordem ou fotos dos seus líderes, como Marti, Che, Camilo, Raul e Fidel, personalidades que sempre são lembradas pelo seu passado ou presente e referências da Revolução Cubana. 

A tudo isto também assistiu o Presidente Raul Castro acompanhado pelo Presidente Nicolás Maduro, que veio agradecer todo o apoio à Revolução Bolivariana da Venezuela, tão atacada nos últimos tempos pelo império norte-americano, que continua a querer ingerir-se nos destinos de nações soberanas e independentes que democraticamente sabem escolher o futuro que desejam. 

Este ano participaram delegações de mais de 60 países, entre elas a de Portugal, umas mais numerosas que outras, que também se reuniram no Palácio das Convenções para expressarem a sua solidariedade com Cuba, tendo-se assistindo a intervenções muito emotivas e amplamente aplaudidas por cerca de um milhar de presentes. 

A delegação portuguesa teve ainda oportunidade de estabelecer contactos com várias instituições cubanas e visitas a uma cooperativa agrícola, a um médico de família, a um policlínico, a um Comité de Defesa da Revolução e a uma obra social de Havana Velha, complementando um programa que tinha por objectivo dar a conhecer a verdadeira realidade e não aquilo que a habitual propaganda emanada por alguns comentaristas e comunicação social tentam fazer crer. Como em tempos disse Fidel, “Cuba não é o paraíso, mas também não é o inferno que muitos desejam que seja”. 

O povo está alerta e vigilante sobre os perigos que podem advir contra as conquistas alcançadas pela Revolução, sabendo que são irreversíveis e que as novas gerações são o garante da sua continuidade. 

José Marti e todos aqueles que se sacrificaram para que Cuba fosse soberana e independente merecem qualquer sacrifício.

 

Lo último

01 de Octubre // 08:24
documentales-de-hernando-calvo-ospina-en-la-casa-de-la-solidaridad-en-estocolmo Comité Internacional Paz, Justicia y Dignidad a los Pueblos - Capítulo Suecia.- El viernes 27 de septiembre, la Asociación[...]
01 de Octubre // 08:10
bartolome-sancho-desmonto-tesis-sobre-crisis-humanitaria-en-venezuela-y-cuba Gerardo Moyá Noguera - Casa de Amistad Baleares-Cuba.- Bartolomé Sancho, periodista balear residente en La Habana y presidente de Honor de la[...]
01 de Octubre // 07:23
nueva-propuesta-literaria-cuba-frente-al-buen-vecino-entre-el-contrato-y-la-herejia Cubadebate.- “Cuba frente al buen vecino. Entre el contrato y la herejía”, libro del ingeniero y periodista Iroel Sánchez, será presentado el[...]
Revista
Lo + leido
Recomendamos